Canavieiras: Escrevente de cartório é denunciada pelo ministério público - Cannes News

AUDIO

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Canavieiras: Escrevente de cartório é denunciada pelo ministério público

Acusada de diversos crimes, dentre os quais falsificação de documento público, a escrevente do Tabelionato de Notas de Canavieiras, Alexandra Campos Vasconcelos, foi denunciada pelo Ministério Público da Bahia à Justiça. A mulher foi presa em flagrante durante uma operação policial no dia 16 de janeiro.

Segundo a promotora de Justiça Mayanna Ribeiro, investigações constataram que a escrevente fez a transmissão irregular de imóveis usando cobranças, a título de tributos, sem recolher os impostos e taxas aos cofres públicos. Ela também é acusada inserir dados falsos em documentos públicos e receber vantagem indevida para providenciar escrituras públicas, conforme o MP-BA.

Além disso, falsificou e realizou montagens de escrituras e ocultou folhas soltas de livros contendo matrículas de imóveis em benefício dela ou de outras pessoas, segundo a promotora de justiça. Alexandra Vasconcelos foi denunciada ainda por falsidade ideológica, supressão de documento público, peculato, corrupção passiva e crime contra a ordem tributária.


ENTENDA O CASO: Alexandra Vasconcelos foi detida em cumprimento de mandado expedido pela justiça no último dia (16/01) quando na época recebeu voz de prisão temporária, sendo convertida em preventiva. Na oportunidade a equipe do delegado Dr. Renato Fernandes fez buscas com ordem judicial na casa da acusada. Alexandra Vasconcelos foi flagrada com escrituras públicas e folhas soltas de livros contendo matrículas de imóveis registrados no cartório.

A doutora Mayanna Ribeiro do Ministério Público (MP) explica as ações, que manifestou-se pela prisão temporária em razão de recebimento de notícia crime dando conta da falsificação de três escrituras. Depois, também se manifestou pela preventiva. Nesta última segunda-feira (04/02), foi indeferido o pedido de revogação da prisão de Alexandra.
A agora ex-funcionária pública chegou a confessar as práticas delituosas à Polícia, afirmando que, desde do ano de  2013, fez inserir em documentos públicos dados errados, falsificando escrituras públicas e apropriando-se de valores, deixando de recolher aos cofres públicos o valor dos tributos. Também confessou que levava matrículas originais para casa e as ocultava, utilizando depois os dados para falsificar documentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.